quinta-feira, 23 de abril de 2015

Em disputa de queda de braço com Cunha, Renan discute "engavetar" lei da terceirização...

Resultado de imagem para Em disputa de queda de braço com Cunha, Renan discute "engavetar" lei da terceirizaçã

Mais uma queda de braço
Que ninguém não se acabrunha
E nessa queda de braço
Vamos ver quem quebra a unha
Foi moído de manhã
Com o presidente Renan
E o outro Eduardo Cunha

Os dois do mesmo partido
Todos, PMDB
Discutindo esse projeto
Que eu agora vou dizer
Um querendo engavetar
E o outro quer terceirizar 
As manobras do poder

Segue a votação na casa
Todos querem a conclusão
Cunha diz: sim, eu aprovo
Renan Calheiros diz: não
Quero ver o estilhaço
É mais uma queda de braço
Sobre a terceirização

(Lalauzinho de Lalau)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

O meu verso está guardado...

Na carreira do vaqueiro
Na seca destruidora
Na enxada e no lamento
No cultivo da lavoura
No sorriso do menino
Na estrada e no destino
Nas aulas da professora

O meu verso está guardado
Na historia de vocês
Na nossa simplicidade
Na formosura da rês
No amor e no carinho
No cantar do passarinho
Que nunca perdeu a vez

(Lalauzinho de Lalau)

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Tem mais repente no blog...

Meu verso passa por cima
De pedregulho e espinho
Cobra não me mete medo
Porca não mete o focinho
E o povo ainda diz assim
Faça um repente pra mim
Pode arrochar Lalauzinho

Tem mais repente no blog
O meu ibope nunca cai
Meu repente é mais alegre
Já aprendi com papai
Sempre respeitando o povo
Meu verso passar de novo
Tanto entra como sai

Meu verso vai pelo o mundo
De repente leva um facho
Sou poeta cantador
Trovador, sou cabra macho
Meu verso ninguém ensina
Tem labareda por cima
Tem também fogo por baixo

(Lalauzinho de Lalau)

sexta-feira, 17 de abril de 2015

És bem menos valioso do que a minha poesia...

Voltei com a língua afiada
Com força no meu pulmão
Voltei dando nó nas tripas,
Figo, bofe e coração
Eu voltei pra dizer mais
Sobre o escândalo da Petrobrás
Gente ruim e mensalão

Eu voltei trazendo o verso
Do começo ate o fim
Falando em cabra safado
Também em político ruim
Meu verso dá de lapada
De quem vive em cachorrada
Pode ter raiva de mim

Que eu estou pouco me lixando
De quem vive em hipocrisia
Fazendo a agente de tolo
E metendo a mão na bacia
Com esse discurso tinhoso
És bem menos valioso
Do que a minha poesia

(Lalauzinho de Lalau)

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Vereadores usam 'mordaça' durante sessão em Mossoró...

Vereadores protestaram contra o fim da transmissão das sessões na TV aberta (Foto: Adriana Morais/Assessoria)
Foto- Adriana Morais


Eu já vi de tudo um pouco
Bebo gritando na praça
Galo ruim cantando rouco
Caçador atrás da caça
Quero falar pra vocês
Vi pela a primeira vez
A oposição de mordaça

 Lá estavam amordaçados
Cada um sem falar nada
A transmissão da sessão
Foi de uma vez cancelada
Lá na TV Mossoró
E pra o povo não ficar só
Todos de boca tapada

Depois que eu vim entender
O que essa imagem passa
Pra quem ver de supetão
Não precisa achar nem graça
Não preciso falar nada
Todos de boca tapada
A oposição de mordaça

(Lalauzinho de Lalau)

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Sivuca, Luiz e Dominguinhos...


Sivuca já está no céu
Doidinho atrás de tocar
Ao lado de Dominguinhos
Luiz, já está por lá
Com o famoso acordeom
Esse instrumento tão bom
Da cultura popular

Sivuca atrás de Luiz
O Luiz rei do baião
Conversou com Dominguinhos
Cantou uma linda canção
Na sanfona deu um beijo
Só lembrando dos festejos
Das festas de São João

E lá na casa do pai
Cada um tem sua vez
Lá a festa é da sanfona
Lá a festa é deles três
Sivuca, Luiz e Dominguinhos
Tocaram ali os três baixinho
Só lembrando de vocês

Os três matando a saudade
Das festas do meu sertão
Sivuca rasgando o fole
Com Luiz rei do baião
E Dominguinhos do lado
Dizendo: ta arrochado
Não pare a sanfona não

E hoje no céu festejam
Com mais amor e carinho
O beque vocal, são anjos
O maestro, um passarinho
Deus ouviu o musical
No palco celestial
Com Sivuca, Luiz e Dominguinhos



(Lalauzinho de Lalau)

terça-feira, 14 de abril de 2015

Vamos se apegar a Deus...

Ô mundo desgovernado!
A guerra não para não
É fome, é morte, é cheia
É seca no meu sertão
É muita desigualdade
E a gente só ver maldade
 Brotando no nosso chão

Vamos se apegar a Deus
Vamos caminhar na fé
Vamos levantar quem cai
Vamos cantar se puder
Vamos plantar amizade
Num mundo mais de verdade
Pro homem e também a mulher

Eu desejo a cada dia
Que os povos firmem a união
Que possamos falar com Cristo
Em forma de oração
E que esse mundo viva em paz
Respeitando os animais
Eu quero paz pra o nosso chão

(Lalauzinho de Lalau)